Aprenda a dizer não

*esse texto é do meu blog anterior, Línguas Desatadas

Quantas vezes você já parou para observar o que está fazendo, e ficou sem entender exatamente o porquê disso? Na correria do dia-a-dia, muitas vezes fazemos nossas tarefas no automático, sem refletir muito sobre a importância do que estamos fazendo. E mais que isso: em boa parte das vezes, perdemos um tempo imenso nos desdobrando em atividades para os outros, que não fazem o menor sentido para a gente.

Essa perseguição por metas, pelo destaque pessoal, pela aprovação das pessoas que nos cercam, muitas vezes nos massacra. E todo esse esforço não necessariamente retorna para a gente como uma forma de gratidão, ou qualquer bônus pelo desempenho.

E por que então tanta dedicação? Simplesmente porque não paramos para analisar nossas atitudes, pensar nos nossos limites, e respeitarmos nosso próprio corpo. Todos nós precisamos de um tempo para a vida pessoal, família, amigos, viagens, lazer. É importante também um tempo para ficar sozinho, descansar, ou simplesmente esvaziar a mente.

Mas de que forma alcançar essa meta? Não acredito que exista uma fórmula mágica, mas acho que aprender a dizer “não” já é um começo. Não aquele “não” egoísta, mas um “não” que demonstre seu amor próprio, que aponte para os outros que você se valoriza. Muitas vezes essa atitude gera críticas, mal estar, mas quem toma para si essa decisão não deve voltar atrás. É o tipo de escolha que faz toda a diferença na vida.

Em minha observação cotidiana, cada vez mais percebo pessoas começando a se movimentar nesse sentido, dizendo “não” para aquilo que as tortura, e muitas vezes começando uma vida totalmente nova. Claro que dizer “não” para algumas coisas não significa necessariamente que você vá mudar de emprego, de cidade ou país. Mas se isso também for necessário, tenha coragem! Certamente o advogado que virou cozinheiro, ou a engenheira que abriu uma pousada, entre tantos outros, devem ter histórias de vida incríveis para compartilhar. Saber a hora certa de mudar é difícil, mas aprender a dizer essa palavrinha mágica – “não” – já é uma boa maneira de se posicionar diante de tanta pressão que sofremos diariamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *